Jose Mattoso elege duas figuras como paradigmas nacionais: Alexandre Herculano e Dom Duarte

Filósofo, místico e referência ética nacional, são três os adjectivos com que definiria esta personagem ímpar da nossa vida cultural. Já foi monge e, perante a perplexidade da vida, considera Deus, como aquele que “preenche todo o vazio e responde a todas as perguntas” e critica acidamente os valores prevalecentes, afirmando: “o domínio da técnica não garante o exercício da sabedoria”.
Embora acreditando nas virtualidades do 25 de Abril, nem por isso, se revê nos seus frutos: “incapazes de resolver problemas relacionados com a organização social e económica, os políticos desenvolveram estratégias de ataque pessoal e de descrédito, que ainda hoje dominam a luta pelo poder”. E elege duas figuras como paradigmas nacionais: Alexandre Herculano e Dom Duarte, não se esquecendo de Camões, “épico” demais para o seu gosto e Fernando Pessoa, que considera “demasiado paradoxal”.


Soberania do Povo (SP): Porque veio parar a esta terra?

José Mattoso (JM): Eu morava em Mértola, mas vivi em Timor durante cinco anos e meio. Regressei a Mértola, com alguns problemas de saúde. Verifiquei que, aí, a assistência médica não estavam devidamente garantida. Resolvi então, com minha Mulher, entregar a nossa casa e os meus livros ao Campo Arqueológico de Mértola, como estava prevista na doação com reserva de usufruto que tinha feito há anos, e passar a viver numa casa de campo que minha mulher herdou em Carvoeiro do Vouga.


SP: O que acha destas gentes e do meio?


JM: Contacto sobretudo com os vizinhos, com um pequeno grupo de amigos de infância de minha mulher e com os responsáveis pelos serviços de saúde de Macinhata, de quem tenho recebido os mais simpáticos testemunhos de amizade. Se aqui houvesse alguma associação cultural, na qual pudesse colaborar em alguma actividade útil, talvez tivesse mais contactos com as pessoas daqui. Não é o caso. Tenho alguns contactos com o meio cultural de Albergaria e de Aveiro, mas sem nenhum compromisso. A minha idade obriga-me a restringir este género de actividades.


SP: Como preenche o seu dia-a-dia?


JM: Continuo a ter alguns compromissos profissionais, como o de membro do Conselho Científico para as Ciências Sociais e Humanas da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, o que me obriga a ir regularmente a Lisboa e dar pareceres sobre questões relacionadas com essa actividade. Além disso colaboro, na medida do possível, com o Instituto de Estudos Medievais da Universidade Nova de Lisboa, de que sou membro, e tenho feito algumas conferências em colóquios e encontros de História e de Espiritualidade. De vez em quando, recebo a visita de antigos colegas e amigos. No tempo livre que me resta, gosto de ler textos clássicos. Agora ando a ler os Sermões do Pe. António Vieira. Só conhecia uns dois ou três.

Fonte: Soberania do Povo (VER EDIÇÃO SP IMPRESSA)



<<< voltar
© Casa Real Portuguesa 1998-2015
w3c
Aviso Legal