Há muitas injustiças (Correio da Manhã)


Duque de Bragança e chefe da Casa Real portuguesa sobre preocupações com a dependência do País


Porque é que não se pode dizer, à maneira do 1º de Dezembro, “Nós somos livres e o nosso rei é livre”?

Devido à irresponsabilidade de alguns governantes da República, a nossa política depende da vontade de estranjeiros. E, ao contrário de democracias evoluídas do norte da Europa, a Constituição garante “a forma republicana de governo” quando o que devia ser inalterável era a democracia.

Que pensa da ideia “refundação do Estado”?

Gostaria que se fizessem reformas profundas nas instituições, na burocracia, para melhor relação entre governantes e governados; que os deputados fossem eleitos por votação uninominal e representassem cada um a sua região. A democracia portuguesa é imatura, há muitas injustiças, pessoas com enormes previlégios e muitas outras vivem abandonadas.

Como analisa os aumentos de impostos?

São contraproducentes porque estão a matar a competitividade das grandes empresas e a provocar grandes dramas nas famílias que já não os suportam.

Como vê o futuro?

Está comprometido. Uma das razões é a baixa natalidade. O Estado subsidia o “aborto a pedido”. Nos últimos cinco anos fez mais de 90 mil vítimas legais.

João Vaz






<<< voltar
© Casa Real Portuguesa 1998-2015
w3c
Aviso Legal