Duarte Pio defende moeda lusófona


"O euro é em boa parte responsável pela crise que vivemos. Combati-o desde o início e nessa altura Paulo Portas, por exemplo, concordava comigo. Não sei se é viável neste momento retomarmos o escudo. Talvez a solução seja os países do Sul da Europa terem uma moeda comum, embora o que eu preferisse fosse uma moeda da CPLP, com Portugal a ter a mesma moeda que Angola, Brasil e os restantes membros", defendeu Dom Duarte Pio, no Clube dos Pensadores, em Vila Nova de Gaia, perante uma plateia de quase uma centena de simpatizantes da causa monárquica que ouviu o Herdeiro ao trono de Portugal sobre alguns temas da actualidade, aplaudindo em particular propostas como esta.

Mais do que sobre a actualidade, Dom Duarte aproveitou as interpelações do público para responder sobre a possibilidade de reintroduzir o tema da Monarquia na agenda política. "A Constituição actual não é verdadeiramente democrática, porque impede um referendo sobre a Monarquia", referiu o Duque de Bragança, argumentando sobre a importância de criar um "lobby" junto de alguns deputados para conseguir compromissos antes das eleições legislativas de modo a alcançar uma maioria de dois terços para alterar a Constituição.

Relacionado com o atual momento do país, Dom Duarte Pio salientou a importância de combater a corrupção e governar eficientemente e não evitou responder a preguntas mais provocatórias da audiência, salientando que o essencial num cargo de chefe de estado é manter a dignidade quando perguntado sobre o que faria se lhe chamassem "palhaço", numa alusão à recente polémica que envolveu o Presidente da República.

Diário de Notícias


<<< voltar
© Casa Real Portuguesa 1998-2015
w3c
Aviso Legal