A herança real tem sido bem aproveitada para promover Sintra - Entrevista a D.Duarte (Jornal de Sintra)

 
 
A família real portuguesa, seja agora no presente como também no tempo da monarquia, sempre teve uma forte ligação a Sintra, onde reside D. Duarte de Bragança. Assim sendo, Jornal de Sintra entrevistou D. Duarte acerca de questões relacionadas com a sua vivência no concelho.
 
 
Jornal de Sintra - Gostaríamos de saber quais os pontos marcantes em que Sintra interveio na história da monarquia portuguesa e como esta viu e os sintrenses.
 

D. Duarte de Bragança A família real portuguesa sempre gostou de estar em Sintra devido à simpatia dos seus habitantes e à maravilhosa beleza desta vila.

Esta herança "real" tem sido bem aproveitada para promover o concelho. Congratulo-me com a Câmara Municipal pelo valoroso esforço de protecção do seu património monumental e paisagístico.
 
JS - Como habitante no concelho de Sintra., quais são as suas actuais preocupações?
 
DDB - Infelizmente em tempos anteriores, mas ainda recentes algumas barbaridades foram cometidas que comprometeram gravemente a beleza da nossa paisagem, nomeadamente a construção desordenada de "caixotes" próximos do Palácio de Queluz e de outros junto ao Palácio da Vila.
 

A autorização para grandes urbanizações no concelho terão trazido recursos financeiros à  Câmara Municipal mas transformaram Sintra num concelho dormitório de Lisboa, o que causou imensos problemas. Felizmente os actuais autarcas têm consciência deste problema e determinação para lhe fazer frente, sendo essa a sua maior virtude. Em Sintra é mais importante saber dizer "não do que fazer muitas coisas frequentemente inúteis com o dinheiro dos contribuintes como acontece em muitos outros concelhos.

 

JS - Quer acrescentar alguma coisa que considere de interesse para os sintrenses?

 

DDB - A vila de Sintra é hoje Património da Humanidade reconhecido pela Unesco, mas se não soubermos corrigir alguns erros cometidos e impedir outros podemos facilmente perder esta classificação. Seria importante apoiarmos as actividades dos movimentos cívicos como a

Associação de Defesa do Património de Sintra que luta há anos pela salvaguarda da nossa memória e da beleza da nossa terra. Só com muitos associados é que estes movimentos podem ter verdadeira influência.
 
Temos que ser lógicos e coerentes: se gostamos de Sintra temos que contribuir para a sua preservação de todos os modos possíveis. Há evidentemente um outro problema que me preocupa e que é a necessidade de apoiar e integrar social e culturalmente a juventude que cresce em certos bairros chamados sociais e onde se está a de envolver um espírito de gueto com consequências perigosas para o futuro.
 
As leis portuguesas foram escritas com a preocupação humanitária de proteger os marginalizados mas na verdade acabam por estimular os comportamentos marginais ao desautorizarem a acção da justiça e das forças de segurança. Temos que exigir de quem votamos uma atitude mais justa e inteligente.
 
David Garcia
 
 
 
 

<<< voltar
© Casa Real Portuguesa 1998-2015
w3c
Aviso Legal